RSS

O “FIM DA HISTORIA” E O FIM DA GREVE DOS PROFESSORES.

24 set

O “FIM DA HISTORIA” E O FIM DA GREVE DOS PROFESSORES

                                                                                                               Sandro Luiz Bazzanella

A expressão “Fim da História”, foi cunhada pelo economista e cientista político nipo-estadunidense  Francis Fukuyama, no início dos anos 90 diante do colapso, ou da derrocada do socialismo de orientação soviética, implantado na Rússia a partir da revolução de outubro de 1917, liderada por Lênin, Stalin, Trotski, entre outras lideranças. Durante 70 anos o socialismo liderado pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), protagonizou juntamente com capitalismo ocidental, disputas geo-políticas estratégicas em âmbito mundial. Este período ficou conhecido como “guerra-fria”.

Com o fim do socialismo soviético, Fukuyama anuncia o “fim da história”. O “fim da história” culmina,  sob certa perspectiva, com a vitória do capitalismo e, suas formas de governo com propensões hegemônicas, caracterizadas pela democracia global de mercado. Esta condição vincula-se com argumentos que anunciam o esgotamento das aventuras revolucionárias modernas, dos grandes projetos políticos ocidentais, das ideologias e seus referenciais modernos à esquerda, à direita e, ao centro. Na seqüência desta variável, a política “deve” se submeter aos imperativos de eficiência e eficácia técnico-administrativa. O Estado é destituído de sua condição de ser o lócus das perspectivas e contradições da política, para tornar-se agência operacional dos interesses da economia de mercado. O poder político estatal permanece circunscrito em seus limites fronteiriços, ao passo que o poder econômico é global, desconhece fronteiras, ou barreiras de qualquer ordem. O “fim da história” também coincide com a consolidação da sociedade de massas na perspectiva da politóloga Hannah Arendt e, da sociedade individualizada do sociólogo polonês Zygmunt Bauman.

Hegel havia nos advertido que é no entardecer que a “Ave de Minerva” alça seu vôo. Para o filósofo alemão é somente após o término da batalha que talvez se possa interpretar o que realmente aconteceu. Assim, as melhores lições são as da história. Sob tais pressupostos, o “fim da greve dos professores”, aponta para fenômenos característicos do “fim da história”, vejamos:

  1. O Estado brasileiro e, catarinense, na perspectiva do filósofo italiano Giorgio Agamben, age de acordo com sua condição constitutiva: como Estado de exceção. O poder soberano do Estado funda o ordenamento jurídico que determina a vida e a dinâmica das relações sociais contemporâneas, mas age à margem da lei. O Estado catarinense não cumpre as prerrogativas constitucionais do piso salarial nacional dos professores. Promove o desvio de finalidade dos recursos do Fundeb, distribuindo os recursos advindos da contribuição dos cidadãos e, que compõe tal fundo, com o Poder Judiciário, com o Tribunal de Contas, com UDESC e, com a Assembléia Legislativa. A razão de Estado centralizada em Brasília justifica o Estado de exceção catarinense.
  2. Na modernidade a greve se apresenta como instrumento de luta e pressão do  trabalho, nesse caso os professores, em relação ao capital, representado pelo Estado catarinense. A modernidade se caracterizou politicamente pela opção política de grupos e partidos em relação a um dos lados desta disputa.  Constituem-se, assim, posturas políticas de esquerda, caracterizadas por defender os interesses do trabalho, de direita que em maior ou menor grau defendem os interesses do capital e, de centro, posição daqueles que poderiam se incorporar a uma das duas tendências em determinado momento a partir de interessesem jogo.  Agreve dos professores foi marcada pelo isolamento político. As bancadas partidárias (salvaguardada a ação mais contundente de um ou outro parlamentar) restringiram-se a fazer moções de apoio lidas ao final das seções na Assembléia sem maiores compromissos e envolvimentos. Lideranças políticas timidamente se pronunciaram, e a quase totalidade dos órgãos de imprensa de circulação de massa em âmbito estadual silenciaram. 
  3. Por outro lado nos deparamos com uma sociedade catarinense apática em relação a greve dos professores, mesmo diante do fato inconteste de que o pagamento do piso salarial nacional da categoria, estava diretamente vinculado à melhoria da qualidade de ensino das crianças, adolescentes e jovens catarinenses. Esta apatia social se revela na preocupação majoritária dos pais preocupados em sua grande maioria com o cumprimento do calendário letivo, e alguns com a possível transferência da data de “formatura” de seus filhos, numa clara opção pelos aspectos quantitativos em detrimento dos  pressupostos qualitativos da educação conferidas aos seus filhos.
  4. A greve trás à público o paradoxo da sociedade catarinense, de suas lideranças políticas e de suas instituições, que afirmam discursivamente a primazia da educação como forma de inclusão social, de participação nas demandas da economia globalizada, mas que silencia, desconhece e, trata com desdém aspectos vinculados com a condição de possibilidade de avanço na qualidade educacional das futuras gerações.
  5. No bojo das questões acima arroladas, a greve revela de forma clarividente as contradições do Estado catarinense, senão brasileiro. Um Estado caracterizado por heranças patrimonialistas, de poderes que se concebem como fins em si mesmos, representando interesses particulares, desconsiderando que a natureza e legitimidade de sua existência justificam-se  na representatividade das forças vivas e das demandas da sociedade catarinense e brasileira.

O “fim da história” substancializa-se no fim da greve dos professores. A greve termina sem conseguir potencializar debates em torno de temas candentes para a sociedade catarinense e brasileira, entre eles: A qualidade da educação básica e fundamental, diante dos desafios do mundo contemporâneo. A responsabilidade político-administrativa do Estado diante das demandas cruciais da sociedade. As contradições históricas e constitutivas do Estado, bem com a redutibilidade do Estado a agência de controle das contradições do trabalho em relação às demandas capital. O Estado de exceção e o exercício antidemocrático de seus poderes que se concebem em sua absolutidade soberana. Resta aos indivíduos da sociedade de consumidores, aguardarem o próximo evento na efemeridade da morte do pensamento e, consequentemente do debate em torno das questões de interesse público. Definitivamente não compreendemos suficientemente as implicações públicas ao anunciarmos que vivemos numa democracia.

Sandro Luiz Bazzanella

e-mail: sandroba@terra.com.br

Dr.em Ciências Humanas- UFSC

Professor de filosofia e Coordenador do Curso de Ciências Sociais da UnC – Canoinhas 

 
24 Comentários

Publicado por em 24 de setembro de 2011 em Artigos, Professor Dr. Sandro Bazzanella

 

24 Respostas para “O “FIM DA HISTORIA” E O FIM DA GREVE DOS PROFESSORES.

  1. Daniele Zahn

    27 de outubro de 2011 at 7:43 pm

    O texto que acabei de ler retrata a realidade em que vivemos pois somos dominados politicamente pela ação de grupos e partidos em relação a um dos lados dessa disputa.
    No caso referente ao texto ou seja a greve dos professores se apresentou como instrumento de luta e pressão por algo que lhes era de direito.
    Com tudo isso a sociedade Catarinense ficou apática ou seja sem reação quanto a greve pois de um lado estavam os professores que lutavam pelos seus direitos ou seja uma melhor remuneração salarial,porém de outro lado estavam os pais preocupados com o ano letivo dos filhos pensando que todo esse movimento poderia prejudica-los de alguma forma.
    Ao analizar o texto acima e alguns outros referentes ao mesmo assunto me perguntei,o médico tão valorizado,o advogado e tantos outros profissionais antes de serem o que são passaram por qual mãos?
    Eu mesma pude me responder eles não conseguiriam essa formação se não existissem os tão desvalorizados professores,será que ao criticar os profissionais da educação alguem lembra disso?
    Creio que não e espero que cada um que leia meu comentário pare para refleitr sobre o assunto,com isso voce verá que o professor que é tão pouco valorizado é a porta do futuro de qualquer profissional.

     
  2. Dieimerson Guzlinski

    27 de outubro de 2011 at 7:50 pm

    O texto retrata a greve que aparesenta como instrumento a luta de professores por causa de melhoria para o ensino das crianças,adolecentes,jovens e adultos a qualidade de ensino.agreve trás ao publico o paradoxo da sociedade catarinense ,ou seja tudo oque foi planejado nao deu certo.
    A sociedade brasileira apoia a educação mas na hora de uma greve para melhorar o ensino a sociedade vai contra a educação,o sociedade trata como uma forma de desdém ou seja uma forma de nada.
    Essa greve então foi formada para mudar o ensino e também o salário dos professores por que os professores sofrem para ensinar também os alunos e nao é nen um pouco valorizado,mas teria que ser uma uma profissão muito valorizada .
    também ouve uma greve no paraná que os professores foram mortos por policias e eles só estavam procurando a melhora para uma sociedade digna.
    Poderia-mos pensar em que um professor trabalha muito mais que um politico que fica sem fazer quase nada e ganha muito bem e sendo que um professor trabalha dia a dia para ganhar um pouco q quando vai fazer greves para melhorar ainda é mal tratado.
    Na minha opinião a educação brasileira teria que ser muito valorizada e nas greves tratarem muito bem os professores por que eles tão ali perdendo dia de serviço pra melhor a sociedade de santa catarina ,paraná e muito mais estados.

     
  3. FRANCIELE DE OLIVEIRA

    27 de outubro de 2011 at 7:51 pm

    Em 30 de agosto de 1988,cerca de 150 professores foram para as ruas da capitaldo parana,em frente ao Palacio das Araucarias reinvindicar melhores condições de trabalho,entre essas condiçoes salarios mais juntos.
    No local o atual governador da época Alvaro Dias,mandou suas tropas militares,as ruas para que usasem sua cavalaria,cães e bombas de efeito moral para dispersar a mutidão,varios professores ficaram feridos,essa data ficou marcada na historia dos professores do paraná,todos os anos professores e profissionais da educação promovem uma passeta pelas ruas da capital,para lembrar o episodio,feito que nunca mais sera esquecido no estado do paraná por nos todos.

     
  4. sofia mayara serpa

    27 de outubro de 2011 at 7:53 pm

    A greve dos professores demostra que eles devem lutar pelos seus direitos, tanto na área de educação, para melhoria do seu sálario, muitos professores trabalham em periodo integral para ganhar uma miséria, e ainda os alunos não respeitam os professores.
    Os professores trabalham muito, e algo que não é fácil,pois eles ensinam e educam crianças coisas que a educação deveria vir de casa.Na maioria das vezes o professor não cumpre simplesmente seu papel de educador e acaba exercendo outros papeis. ex: professores que trabalham no interior das cidades, eles trabalham com series de 1º a 5º ano numa mesma sala, limpam o local, fazem seus lanches escolares, quando acontece algo a mais o professor que toma suas proprias atitudes, sem ter a quem recorrer, pois ele é a unica pessoa responsável pelo âmbito escolar.
    O trabalho do professor deve ser mais reconhecido e valorizado pela sociedade sem que critiquem seu trabalho.
    Seu salário deveria ser mais alto, pois para se especializar na área de educador ele acaba gastando muito e recebendo pouco pelo trabalho que faz.
    sou a favor da greve dos professores pois assim eles lutam por algo digno de respeito que deve ser mais valorizado e reconhecido.

     
  5. @wuellitonSverza segue la

    27 de outubro de 2011 at 7:53 pm

    Esta manifestação foi feita para que os professores tivesse um salario maior .
    Hoje em dia o professor é a peça fundamental para que o pais siga para ter
    um pais mehor … Muitas vezes um serviço menos cançativo é mais remo-
    nerado, hoje em dia niguem consegue ser uma pessoa bem suucedida sem
    a ajuda do professor.

     
  6. Emily Brenda Arantes

    27 de outubro de 2011 at 7:59 pm

    O texto nos mostra a realidade que vemos em nosso dia-a-dia, professores que deveriam ensinar, hoje estão além de ensinando tendo que educar na escola e ao tentarem reinvidicar melhores condições de trabalho são barrados ou maltratados como aconteceu em 30 de agosto de 1988, que os professores paranaenses ao buscarem melhorias para suas escolas foram espancados por policias que de certa forma estavam apenas fazendo os seus papéis, o seu dever, cumprindo ordens, mas mesmo assim houve uma grande injustiça e um descumprimento da lei pelo próprio estado, pois, manifestações, movimentos sociais não são proibidos e no caso deste dos professores não estava sendo feito mal nenhum a outras pessoas. Devemos pensar que nós não seríamos nada sem um professor porque é ele quem nos ensina, quem nos ajuda a termos uma qualificação, podemos dizer, para que no futuro possamos trabalhar, ter uma boa moradia, alimentos de qualidade, ou seja, suprir nossas necessidades, são eles que nos ensinam a ter autonomia, a termos nossa opnião, expressá-la e nos ensinam como viver em sociedade.

     
  7. TAISA DA ROCHA

    27 de outubro de 2011 at 8:00 pm

    Em 30 de agosto de 1988,ocorreu uma greve,cerca de 150 professores do estado do paraná se reunirão em frente ao palacio das araucarias,em busca de reinvindicações,melhores salarios e melhores condições de trabalho.
    Foram surpreendidos por uma tremenda covardia,o governador do estado da epoca Alvaro Dias mandou tropas militares que usasem a cavalaria,cães,e bombas de efeito moral para dispersar a multidão,onde varia pessoas ficaram feridas.Essa data ficou marcada e jamais sera esquecida,todos os anos professores se reunem e saem as ruas para lembrar a todos esse lamentavel acontecimento.

     
  8. Polyana Martins Ferreira

    27 de outubro de 2011 at 8:04 pm

    A greve dos professores aconteceu por causa do piso salarial.Como vimos na útima greve dos professores que durou um pouco mais de 106 dias. O motivo da greve foi pelo aumento do salario .Algumas pessoas, ainda, não sabem que já está faltando professores para contratar. É por isso que o governo não vai demitir os contratados. As pessoas não querem trabalhar para ganhar tão pouco. Só mesmo por vocação, por gostar muito da profissão e principalmente dos alunos. A escola pública é muito importante para os filhos da parcela da população, que como nós, ganha pouco. Os professores não abandonam a profissão, pois não são covardes, como são corajosos lutam para melhorar a educação pública. Os professores querem trabalhar sim, mas também querem o direito à dignidade e o reconhecimento do valor do seu trabalho. Isso sim é justiça, não o que o governo junto com esses desembargadores estão fazendo.
    Porque os professores de escolas publicas tem que ganhar um salário ?E os prefeitos, governadores entre outros tem que ganhar mais de 5 mil reais! Enquanto os professores estão lá ensinando as crianças, comprando material escolar com o seu próprio dinheiro, pois tem algumas escolas que não tem material escolar para as crianças e professores utilizarem.

     
  9. tatiane armelinda guedes

    27 de outubro de 2011 at 8:05 pm

    O texto nos monstra como está a educação em nosso pais.Hoje os professores não estão sendo valorizados e reconhecidos na sociedade.Além de ensinar que é sua função os professores estão educando e quando se veem no direito de dar sua opinião e procurar recursos são barrados e espancados.Será que essas pessoas não pararam para pensar que se não fosse um professor eles não seriam nada?Não teriam profissão alguma?E que estão batento em pessoa honestas que estão prestando seu serviço?
    Ninguém gostaria que se na hora de expressar suas ideias as pessoas que estivessem ali para ouvir agredissem-as e não desse a minima para seus problemas.Hoje em dia todo mundo fala mal da fase que nossa educação está passando mas quando chega na hora de falar e procurar recursos ninguém se une para acabar com essa realidade em que nossa educação se encontra.
    Se houvesse união entre as pessoas poderiamos mudar a educação brasileira.Mas se uma, duas ou tres pessoas forem procurar mudar nem serão ouvidos pois a opinião dessas poucas pessoas não significa nada, mas infelizmente essa união não acontece, sem falar no salário que um professor recebe,esse salário não paga a metade do esforço que esses professores fazem para cumprir com sua profissão e mesmo assim muitas vezes continuam ganhando pouco mas fazem seu trabalho por amor e orgulho de ser um professor, além desses problemas tem a falta do material escolar que o próprio governo tem obrigação de mandar,e muitos professores tiram dinheiro do seu próprio bolso para poder aplicar o conteúdo.
    Eu sou a favor da greve dos professores pois para mim estas pessoas estam procurando recursos para melhorar a educação que não é só minha e nem sua mas de todos nós.Esta luta tem um motivo muito especial e para mim eles não estão fazendo nada de errado mas tentando realizar seus sonhos.

     
  10. Camiele Mendes

    27 de outubro de 2011 at 8:08 pm

    A greve de 1988 que os professores do paraná enfrentaram para uma valorização maior ,mas vemos que hoje não estão sendo valorizados como queriam e merecem.Sabemos de concursos onde professores pagam R$100.00 para fazer enquanto medicos pagam R$50.00 ai vem uma grande pergunta porque medicos sao mais valorizados que professores? Por que medicos salvam vidas e o professor nao ensina para que hoje tenhamos uma medico,porque medicos passam a noite em um hospital em plantão o professor também passam a noite corrigindo provas e planejando aulas .
    Então eu concordo que os professores defendam seus direitos pois hoje professores são agredidos em sala de aula por tentar fazer de criança e adultos pessoas melhores;e que aprendam no dia-a-dia pois que pensem sempre no ontem no hoje e no amanhã ,e só assim podemos melhorar nossa educação não apenas pelo salario e sim por uma questão de dignidade.

     
  11. juliana de fatima marafigo

    27 de outubro de 2011 at 8:09 pm

    O texto onde li conta sobre a greve que os professores fizeram e a baita injustiça que os governos cometeram cotra eles.
    Isso so acarreta que os professores sao os que trabalhao mais e ganham pouco, e ainda quando resolvem reinvindicar seus direitos por um salario melhor, eles sao espancados e tratados como lixo , onde a sociedade acha que eles nao tem esse direito. tanto que num concurso publico onde um medico ganha mais que professor e na hora de pagar sua escriçao paga 50 reais e o professor 100 reais,isso e justiça;bom eu ate posso responder isso e um absurdo , a sociedade deveria ajudar mais os professores pois sao eles que ensinam seus filhos para que no futuro eles possao ser pessoas mais responsaveis e que com isso possa os ajudar em uma profissao bem sucedida.bom pesso para as pessoas serem mas justas e que ajudem os professores a conseguirem seus direitos e que nao aja mais conflitos assim pesso justiça.

     
  12. Luciane Eufrazio dias

    27 de outubro de 2011 at 8:09 pm

    No texto relatado sobre o fim da greve dos professores,nos relata vários conhecimentos e um deles é que existe vários professores,sendo explorados por não terem um bom salário,exemplo:um médico ganha muito mais do que um professor,sendo que para ser médico ou para qualquer outra profissão deve-se passar por um professor. vivemos numa sociedade onde o professor muitas vezes não é bem visto,a sociedade acha que um professor só entra dentro da sala e fica sentado, mas ele faz muito mas do que isso, o educador educa os filhos da sociedade ou seja das pessoas para que no futuro tenham uma profissão melhor,com um salário melhor.Na greve de 30 de agosto de 1988,vários professores fizeram uma greve,muitos foram espancados por policiais a quais foram mandados pelo governo,cumpriram apenas seus papéis em seus trabalhos,a perguta é como os professores são tratados numa sociedade?talvez não sejam espancados por armas ou palavras,mas sim pela porcaria de salário que recebem.

     
  13. @wuellitonSverza segue la

    27 de outubro de 2011 at 8:11 pm

    Esta manifestação foi feita para que os professores tivesse um salario maior .
    Hoje em dia o professor é a peça fundamental para que o pais siga para ter
    um pais melhor … Muitas vezes um serviço menos cansativo é mais remo-
    nerado, hoje em dia niguem consegue ser uma pessoa bem sucedida sem
    a ajuda do professor .
    agora a comparação do salario de um politico para um professor
    o salario médio de um politico é de aproximadamente R$ : 16 mil reais
    e o salario médio de um professor é de R$: 994.00 a 1,527 reais por mês,e
    um jogador de futebol ganha aproximadamente R$:2,42 ,milhões por mês
    isso é justo ?
    Mas se os professores ganharem mais vai melhorar a educação brasileira ?

     
  14. marcia ciotta

    27 de outubro de 2011 at 8:11 pm

    Os professores de nosso país não são valorizados corretamente,pois se formos ver,eles não tem um salário digno de sua profissão.
    Um médico ganha bem mais q um professor , mas se fosse o professor não existiria o medico, o advogado,o juíz entre outros.E porque esses profissionais ganham bem mais que o professor?
    O professor para ganhar R$10,00 a mais tem q fazerem greve,enquanto outros profissionais não precisam fazer isso para ganhar fortunas.
    Além dos professores não serem valorizados pelos governantes,tambem não são valorizados e respeitados por seus alunos,pois hoje em dia a coisa mais normal nas reportagens televisivas são professores vitimas de seus alunos.Esses vandalos que batem em seus professores e não são punidos,nada acontece com esses indivíduos.Essas pessoas não podem ser chamadas de seres humanos porque são piores que animais.
    Pois ao invés de agradecerem seus professores pelas pessoas que se transformaram vão e agridem os mesmos,mas se não fossem esses profissionais essa pessoas seriam meros miseráveis.

     
  15. Barbara Cassia de Borba

    27 de outubro de 2011 at 8:12 pm

    Os professores participaram dessa greve, para ter uma melhoria em seu salário, Se um médico pode ganhar dezesseis mil reais, porque um professor deve ganhar menos? Se é o professor que ensina médicos, advogados, dentistas, enfim. A greve trás à público o paradoxo da sociedade catarinense, ou seja, as forças maiores da sociedade falam que precisa melhorar a educação, falam muitas coisas na frente do povo, e não concretizam nada do que falam, eles mesmos se contradizem ao dizer que a educação precisa de melhorias e os professores precisam ganhar mais. Esse texto retrata a sociedade em que vivemos, na qual somos dependentes da politica. Essa greve se apresentou como instrumento de luta e pressão para conseguir o que lhes é de direito. Como eu falei anteriormente, para se
    formarem, serem pessoas de respeito, serem valorizados pela dura sociedade, doutores, advogados, dentistas, entre outros, passam e aprendem, são os profissionais que são graças aos professores, que os ensinaram com tudo o que sabiam, e ninguém lembra disso, só reconhecem os outros profissionais, mas se esquecem que é graças aos professores que eles são profissionais considerados, agora eu pergunto se é justo com os professores, não que se aumentasse o salário dos professores a educação seria melhor, mas é questão de dignidade e esforço, e o professor deve ser mais valorizado perante a sociedade, essa é a minha opinião sobre o assunto.

     
  16. Dyeniffer Kellyn Porto Barbosa

    27 de outubro de 2011 at 8:12 pm

    O texto fala sobre como o professor é visto nos dias de hoje,que ao invez do profesor ser bem visto deveria ter um melhor salário pois tudo na vida se depende de um professor,para um médico se tornar médico ou então um advogado formar-se em advogado, ele precisou de professor para lhe ensinar tudo o que sabe.Será que as pessoas não sabem que tudo o que são ou então tudo do que sabe foi por ter um professor que lhe ensinou?
    Em 30 de agosto de 1988 os professores fizerram greve por melhores condições e então acabaram sendo agredidos friamente e cruelmente por policíais pela ordem do governo,para que tanta violência?Ninguém iria gostar que ao falar ou expressar suas idéias fossem agredidos com tanta violência!
    Os professores nos tempos de hoje lutam para conseguir reconhecimento e por melhores condições.Muitos na sociedade dizem que o trabalho de um professor é simples,é passar a aula inteira sentado,mais não se colocariam no seu lugar.

     
  17. karoline wagner de mores

    27 de outubro de 2011 at 8:19 pm

    A greve dos professores é algo que acho favoravel . pois eles devem reinvindicar seus direitos de educador lutando e querendo melhorias na área da educação, pois eles acabam gastando muito dinheiro para se especializar em uma área da educação
    E muitas vezes seu trabalho não é reconhecido pois acham que é algo realizado com muita facilidade mais trabalhar na educação infantil não é algo facil a ser realizado.
    Deve se ter muita paciencia e ter muita dedicação e o essencial gostar do que faz não trabalhar simplesmente por causo do dinheiro.
    Sendo assim por todo o trabalho que o educador dedica deveria ter um salario digno e merecido pelo seu esforço realizado na area de educação infantil e nas outras areas q deseja ser trabalhada.
    Sendo assim a greve dos professores deve ser apoiada pela sociedade em que vivemos pois todo um bom começo tem um bom professor a sociedade é a mais beneficiada com o trabalho do professor pois o professor trabalha para ensinar e muitas vezes educar crianças que seram o futuro da nossa sociedade devemos ensina-las com muita dedicação para que tenha um futuro brilhante na sua vida.

     
  18. joseronaldodeoliveira

    27 de outubro de 2011 at 8:21 pm

    a greve dos professores citado no texto do Dr filosofo sandro Bazzalla é sobre o direito dos professores sobre um piso que valorize seus direitos com um piso salarial dos professores se compararmos hoje o salario de um pedreiro com o do professor . Os professores não so lutava pelo piso salarial mais sim pelo melhoria da educação fundamental e médio de crianças ,jovens e adultos . sera que o Brasil esta mesmo sabendo envestir na educação e nos direitos dos professores o Brasil é um pais desenvolvido em termos da educação

     
  19. Juliane A.Herbst

    28 de outubro de 2011 at 2:54 pm

    Essas greves de professores ,ocorre por causa do salario.Pois os professores de rede publica estão trabalhando muito e recebendo pouco.
    Os professores de rede publica trabalham o dia todo e o seu serviço não é reconhecido, porque a maioria fala ser professor é uma profissão facil, eles só ficam sentados .Mas não é bem assim eles dão o seu melhor para seus alunos e devem ser recnhecidos.
    Porque um médico e infermeiro precisa ganhar quase 15 mil reais e um professor ganha um salario minimo? Isso é injusto, e os professores concerteza devem fazer greve para aumenentar o salário e melhorias na educação escolar.

     
  20. Christiane Michele Macedo Gomes

    28 de outubro de 2011 at 5:32 pm

    O texto monstra como está a educação em nosso pais nos dia de hoje, os professores não estão sendo valorizados e reconhecidos perante a nossa sociedade, pois além de ele ensinar que é sua função os professores estão educando, e quando pretendem dar sua opinião e procurar recursos são criticados e as veses até mesmo agredidos como ocorreu no dia 30 de agosto de 1988.
    Sendo assim eu concordo com a greve dos professores pois mesmo que o trabalho deles não seja um trabalho pesado mas é um trabalho cansativo e essencial pois antes de exercer qualquer profissão passa sempre pelas mãos do professor, e a greve serve para que o professores lutem por seus direitos para que tenha um salário melhor pelos trabalhos que eles exercem, pois com um salário melhorado a educação pode ser melhor pois os professores poderão comprar materias para fazer alguma aula diferenciada com mais qualidade, e até mesmo eles podem fazer mais curços para se adaptar e trabalhar com seus alunos em sala de aula.
    Os professores nas ecolas do interior eles exercem o trabalho de professor de 1º ao 5º ano, faz a merenda, educa, lumpa a escola, se algum aluno se machuca ou passa mau é o professor que deve fazer chá ou passar remédio, e além de tudo este professor ganha um salário minimo para fazer tudo isso.
    Nenhuma pessoa pode ser uma bom profissional sem antes ter estudado. Para se ter uma boa educação não é preciso estudar em escolas particulares mais sim se intereçar no que esta fazendo e estar conciente de que o estudo é a unica coisa que ninguem tira de voce e que lhe dará sem duvidas um futuro melhor.

     
  21. cleusa correia

    31 de outubro de 2011 at 10:18 pm

    ja a algumas decadas que aconteceu a greve dos professores no estado do parana que lutaram bravamente mas os resultados foram muito pouco diante daquelas cenas de brutalidade pensar que aqueles professores talves estivesse dando aula para os filhos deles tambem penso que os militares cumpriram ordem tambem deve ser motivo de vergonha para os politicos aprofissao que deveria ser mais valorisado mas acabam sendo desvalorizado

     
  22. guilherma aparecida da silva

    1 de dezembro de 2011 at 7:55 pm

    O texto relata a realidade em que o a humanidade vem enfrentando politicamente pela ação dos grupos e partidos em relação a um dos lados dessa disputa.
    No caso referente ao texto ou seja a greve dos professores se apresentou como instrumento de luta e pressão por algo que lhes era de direito.Com tudo isso a sociedade Catarinense ficou apática ou seja sem reação quantoa greve pois de um lado estavam os professores que lutam pelos seus direitos e por uma remuneração salarial,porém de outro lado estavam os pais preocupados com o ano letivo dos filhos pensando que todo esse movimento poderia prejudica-los de alguma forma.Ao analisar o texto acima e alguns outros referentes ao mesmo assunto me perguntei,o médico tão valorizado,o advogado e tantos outros profissionais antes de serem o que são passaram por quais mãos?
    Eu mesma constatei que eles não conseguiriam essa formação se não existissem os tão desvalorizados professores,será que ao criticar os profissionais da educação alguém lembrou disso?
    Claro que não,devemos refletir sobre o assunto acima e valorizar qualquer profissional futuramente.

     
  23. Bianca Dalmolin

    7 de dezembro de 2011 at 8:30 pm

    Na minha opinião os professores deveriam ser mais valorizados do que qualquer outra profissão.
    Porque todos os profissionais existentes passam pela mão do professor.
    Em nosso país os educadores não são valorizados como deveriam, muitas vezes são agredidos por seus próprios alunos além de salários muito baixos.
    É preciso mudar essa realidade para que nosso país e a nossa educação tenha qualidade.

     
  24. roberta

    27 de setembro de 2013 at 8:58 pm

    Depois de quase dois anos resolvi ler os comentários dos meus colegas de classe, então pude perceber que muitos deles falaram algo coerente com o tema, porém outros apenas fizeram cópias descabidas e idiotas sem falar nos erros ortagráficos. Falaram tanto em valorização de professores mas acabaram eles mesmos desvalorizando a profissão, pois “futuros” professores não deveriam cometer erros tão graves. Mas tenho orgulho em dizer que a maioria desses alunos com pouco interesse não fazem mais parte da formação de docentes de nossa cidade. A todos meu muito obrigado, boa noite.

     

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: